quarta-feira, 6 de fevereiro de 2008

Massa Fresca com ervas ( Parte I)



Hoje fiz "la vera pasta ", a primeira receita tirada do livro do Jamie Olivier. Fiquei encantada com a receita. Muito fácil e deliciosa. Vou repetir muito mais vezes e experimentar juntar outros ingredientes para dar outras cores e outros sabores.

Hoje tive ajudantes e foi uma festa na cozinha. O Pedro foi o meu fotógrafo oficial.

Aqui fica a banda sonora para que o ambiente seja perfeito.
Enrico Caruzo "Santa Lucia"





Receita de massa diária rápida ( é este nome que esta massa tem no livro...)

500 g de Farinha ( tipo "00" )
5 ovos frescos grandes
Farinha de trigo para polvilhar

A receita fala em farinha tipo 00. Penso que seja uma farinha mais grossa, mas tenho que ir investigar . Hoje usei farinha normal, sem fermento.

Deitei a farinha na bancada da cozinha, abri um buraco no meio e deitei lá os ovos. Misturei tudo muito bem,juntei salsa bem picada e trabalhei a massa até ela ficar elastica.

Quando achei que a massa já não pegava e estava elastics, fiz uma bola, envolvi em pelicula aderente e deixei repousar uma hora.

A massa pode ser esticada com um rolo e muita farinha ou com a máquina de fazer massa.




A minha máquina é semelhante a esta. Não deu para tirar nem uma foto enquanto a usávamos, porque estavamos todos muito ocupados. Até o fotógrafo ajudou a estender a massa. Foi uma farra.....

Depois estiquei um fio na chaminé e pus a massa a secar um pouco.

Depois de secar mais ou menos 1 hora, enrolei a massa para fazer logo ao jantar.

Amigo, esta é especial para ti.....

13 comentários:

edinha disse...

Eu acho giríssimo fazer a massa em casa :)
Ás vezes faço e com a máquina não custa nada :)
Beijinhos

Carla disse...

Ainda não experimentei fazer, nem tenho a máquina própria. Mas devo dizer-lhe que está magnífica a sua massa. O dia deve ter sido divertidíssimo!

bjs

COZINHAR COM OS ANJOS disse...

adorava estar nessa cozinha!!!Amei essa massa...beijinhos doces

anna disse...

Bem, agora tive a certeza que és uma mulher de armas, para além de seres uma doçura de pessoa...
Não tenho máquina, mas também não tenho coragem para uma aventurona destas...
Beijocas.

Anónimo disse...

Ao som de Santa Lucia! Tu sabes os segredos da pasta italiana. É que oouvido também entra, como o olfacto, no saborear a pasta asciuta. E aqui fico eu, desarmado. Obrigado, meu anjo. Júlio.

Receitas da Filipa disse...

Que farra que deve ter sido essa tarde :-)
A massa ficou com um aspecto fantástico e deve ser uma delícia.
Ando há que tempos a namorar a máquina para fazer massas, desta vez vou mesmo comprar. Acho que fazer massa em casa deve ser muito divertido para não dizer mais saborosa também.
Beijinhos

Marizé disse...

Gosto muito de fazer massa fresca, tenho algumas receitas no meu blog.

A minha mágina e eu somos amigas intimas.

Gostei do prato resultado desta massa e da massa nem se fala, está linda.

Beijocas

Gatinha na cozinha disse...

que maximo fazer em casa!!!!! nossa quando eu crescer quero ser assim !!!! rsrsrs bjkas dani

Goreti disse...

Achei o máximo, e tem mais li o post ouvindo a música, acabei entrando no clima...tipo...imaginando a farra que deve ter sido, bem ao estilo italiano...Super!!!
Em breve estarei fazendo a minha...

Beijos!!

Marcia disse...

Ana, que coragem vc tem: preparar a massa fresca em casa é só para cozinheiras de mão cheia, como vc! Parabéns! Bjs

rduarte disse...

Boa noite, muitos parabéns pelo blog e pela massa. A razão do meu comentário é simples: – também – comprei o livro do Oliver e também quero fazer a massa. Como não fazia ideia do que era farinha tipo 00 fui à procura. Na minha mercearia gourmet não encontrei, falaram-me do Lidl…fui lá e nada! Grandes males, grandes remédios! Fui ao Super Cor do Corte Inglês que normalmente tem tudo…e nada! Vim para casa e fui procurar na net o que era afinal essa farinha. Encontrei o teu Blog e uma explicação no jornal DN. Lá dizem:

…Já em Itália a designação comercial das farinhas é diferente, o que por vezes causa dúvidas. Uma farinha 00 terá um máximo de 0,50% de cinza e uma do tipo 0 pode ter uma cinza máxima de 0,65%...

O link com o resto da informação está aqui:

http://dn.sapo.pt/2006/06/21/boa_vida/os_diferentes_tipos_farinha.html

Ou seja: parece que 00 é apenas uma farinha com 0,50% ou tipo 50. Em Portugal normalmente usamos tipo 55 que provavelmente terá sido a que utilizas-te e bem.

Melhores cumprimentos
Ricardo Duarte

rduarte disse...

Reparei que o link não ficou bem por isso resolvi colocar o artigo na integra, pode ser que ajude alguem.

Os diferentes tipos de farinha


Margarida Guerreiro e Paulina Mata *
Quando se compra farinha a primeira decisão é "com ou sem fermento?"Sobre fermentos já falámos há tempos. Hoje apenas trataremos de farinhas sem fermento. Já reparou nas indicações "Tipo 55" ou "Tipo 65"' que surgem nos pacotes? Sabe o que isso significa? Em conversas recentes apercebemo-nos de que nem toda a gente o sabe. Vamos então tratar disso.

Um grão de trigo é uma estrutura complexa constituída por diferentes camadas (ver figura 1). Do ponto de vista genético existem duas espécies de trigos: o trigo mole (Triticum aestivum), adequado à padaria, pastelaria e ao fabrico de bolachas, cujo produto da moenda é a farinha; e o trigo duro (Triticum durum), usado no fabrico de massas alimentícias, cujo produto de moenda é a sêmola

Quando chega à moagem, o trigo mole é sujeito a várias operações de limpeza e, por questão de conservação, é-lhe retirado o gérmen. Só depois se inicia o complexo processo de triturações e peneirações sucessivas, dos quais resultam vários tipos de farinha.

Uma farinha pode conter todas as partes do grão referidas na Figura 1 - farinha integral - ou apenas a parte central - endosperma - e é muito branca. E entre estas duas situações há todas as intermédias.

Se levarmos uma farinha extremamente branca a um forno a 550º C, o resíduo da queima - a cinza - será mínimo. Já uma farinha integral deixará um resíduo de cinza muito maior, uma vez que contém uma grande quantidade de sais minerais, que não ardem. É a percentagem de cinzas que define o tipo comercial de farinha (ver quadro 1).

Assim, as farinhas 45 e 55 são as mais brancas; contêm um pouco mais de amido e de glúten e menos fibra e vitaminas e dão origem a um pão de miolo muito branco. Uma farinha 110 dará origem a um pão mais escuro, uma vez que tem mais casca, mas, também, mais dietético.

As farinhas que mais se comercializam no nosso País são a 55 e 65. A farinha 45, por exemplo, tem que ser encomendada a uma moagem.

Já em Itália a designação comercial das farinhas é diferente, o que por vezes causa dúvidas. Uma farinha 00 terá um máximo de 0,50% de cinza e uma do tipo 0 pode ter uma cinza máxima de 0,65%.

Qual o tipo de farinha mais adequado para fazer pão?

Isso tem pouco a ver com a percentagem de cinzas. Dentre os trigos moles há uns mais adequados ao fabrico de pão (chamados hard e que têm maior quantidade de proteínas que vão formar o glúten), e outros (mais "fracos" - soft) com menos glúten e, por isso, mais aconselháveis a certa pastelaria. O tipo de farinha, definido com base nas cinzas, apenas garante a obtenção de pão de miolo mais branco ou mais escuro. É por isso que nos EUA a designação comercial das farinhas indica o teor de proteína e a sua aconselhável utilização: múltiplos fins, pastelaria, bolos, bolachas, pão, integral... Não há dúvidas de que isso facilita a escolha.

* Engenheiras químicas, colaboradoras do Ciência Viva. E-mail: mmguerreiro@netcabo.pt

Anónimo disse...

Oi tudo bem? Achei seu por por acaso, muito bom! Vi a dúvida com a farinha... Farinha OO eh uma farinha com mais proteína, difícil achar no Brasil. O que se faz muito aqui eh misturar a farinha com semolina, numa proporção 8/2 ou 7/3 para enriquecer a farinha. Abraços, boa cozinha.